Cotidiano · Utilidade Pública

Comprinhas e Cabaninhas

Olá, estravanado leitor. Aproveitando o embalo dos correios, estamos de volta, jogando de uma vez só sobre você todos os posts que ficaram atrasados e não puderam ser entregues por causa da greve. No programa de hoje falaremos de algo que me intriga muito, é um assunto fascinante que lhe deixará fascinado, observe:

TRAPEZISMOS RUDIMENTARES DE CABANINHAS.

Não sei o que é isso, mas ok!

Bom, agora que o monstro saiu da jaula vamos continuar com essa bagaça. Esse mês, faz alguns dias sai para fazer umas comprinhas, como sou humilde fui no centrão, né gente. Aquele lugar é absurdo, senhor! Da onde sai tanta gente, tanto calor, tanta asa (por asa quero dizer mau cheiros característicos de quem não é chegado no banho). Enfrentei esse desafio e sai na minha missão de encontrar lojas com roupas que se adequem as minhas belas curvas.

Bom, pra começar sai andando e encontrei diversas lojas vendendo as mesmas coisas. Engraçado isso, parece que só muda o nome, mas as roupas são todas iguais. Resumindo, acabei não achando nada que me agradasse, porém, algo inusitado aconteceu. Eu entrei numa loja baratinha, dessas que ficam amontoadas de coisas e resolvi fuçar, já estava desiludida do insucesso da minha empreitada utopística.

Nesse estabelecimento encontrei uma barriquinha bem bonitinha, mas de uma material bem ruinzãozinho, sabe? Mas achei a proposta muito bacana. Eu tenho uma sobrinha e ela adora fazer cabana com as coisas que encontra pela frente, até a cortina da janela ela usa para esse fim. Então logo me veio automaticamente em mente comprar a cabana e dar para minha sobrinha. Acontece que a cabana estava muito simples e o tecido era muito fininho, apesar da proposta ser boa, não parecia aguentar o tranco.

Decidi pesquisar mais e isso me levou a uma grande descoberta que compartilharei com vocês hoje meus queridos leitores. Pesquisando no Google, encontrei um site que vende a cabana de tecido e o melhor: vem um kit com edredom e almofadas! Achei muito legal! Claro que já fiz a minha encomenda sem pensar duas vezes!

Fotos da Cabana

Existem diversas opções de estampas para barracas e para os edredons, são muito fofas! Você pode conferir algumas abaixo:

Muito lindas, né?

Para finalizar, ainda existe um vídeo! Isso mesmo, o vídeo apresenta a cabana de tecido infantil.

Para informações, basta entrar no site.

Cotidiano · Utilidade Pública

Mulheres e uma técnica milenar…

Olá monstrinhos!

Bom, eu estava pesquisando, lendo, sendo curiosa, xeretando e li um artigo interessantíssimo sobre o pompoarismo. Claro que eu já sabia o que era, porém, não tinha ideia da importância que ele poderia ter na vida de uma mulher.

Para mim isso era sinônimo de gueixas e daquelas mulheres da antiguidade, amantes, etc. Bom, também tem um pouco disso, mas acontece que a ciência evoluiu e estudos foram feitos sobre a técnica e as conclusões são muito legais.

Se você não sabe o que é pompoarismo, você pode encontrar a definição na Wikipedia, e separei mais abaixo alguns links fundamentais para guiar você nessa jornada.

O pompoarismo além de ajudar a mulher a conhecer melhor seu próprio corpo, é uma forma de emponderamento, quebra paradigmas e a faz aceitar melhor sua própria sexualidade. Hoje em dia a maioria das mulheres estão frustradas com relação ao sexo, elas simplesmente não conseguem obter o máximo do ato, seja por falta de conhecimento do próprio corpo ou por vergonha. O pompoarismo além de fortalecer a região pélvica, ajuda a facilitar orgasmos e a estimular o prazer sexual.

E um fato interessantíssimo é que isso tudo melhora a saúde da mulher! Chega de incontinências urinárias e infecções, entre outras coisas que você poderá acompanhar nos links que mencionei.

Muito mais do que apenas esquentar a relação, o pompoarismo poderá te ajudar a ter um vida sexual e pessoal melhor. Legal, não é mesmo? Essa é uma informação que sem dúvida deve ser compartilhada. Com o passar do tempo isso tende a se tornar mais divulgado e conhecido, porém, deveremos fazer nosso papel desde já e divulga isso! Então vamos lá!

Para iniciar o seu aprendizado sobre o tema, separei alguns links abaixo. É muito importante que você deve ter cuidado para executar os exercícios e procurar um profissional capacitado pra te ajudar em caso de dúvidas.

Como fazer pompoarismo

Como usar bolinhas tailandesas

Exercícios para fortalecer a vagina

Esses 3 artigos te guiarão inicialmente sobre o tema, depois você pode ler os outros artigos do blog e buscar mais informações.

Espero que vocês gostem, boa leitura!

Cotidiano · Utilidade Pública

Dia das Crianças e Feriado pra nós Jovens Velhos

Olá infantil leitor!

Semana passada rolou o famigerado dias das crianças, teve feriadinho e tudo mais, como sempre? Ganharam presentinhos?

O bom do dia das crianças é quando se é criança, não é mesmo? Depois você passa a ter que dar presentes por outros, e o dia acaba virando apenas mais um feriado por vir, o qual ansiamos como qualquer outro! Êta vida adulta do cão, sô!

Eu tive que dar presentinho sim, não por obrigação, óbvio. Acho que quando se presenteia alguém é dar algo de coração, não é mesmo? É até legal na verdade, porque nesses casos são pessoas que conhecemos bem e queremos vê-las contente com o presente, então procuramos algo que agrade e como conhecemos a pessoa, fica mais fácil.

Essa música traduz um pouco…

Fácil entre aspas, né! Apesar disso se tem um longo caminho a percorrer sobre que tipo de presente dar. Brinquedo? Roupas? Acessórios? As opções são muitas e a paciência é pouca. Fiz o que qualquer ser humano contemporâneo faria, pesquisei no Google.

Ah, detalhe que é um presente para uma criança de 2 anos, isso é algo importante de se levar em conta, né! Bom, continuando, comecei minhas pesquisas, é impressionante o total de resultados que podemos encontrar na internet para qualquer produto. Com o aumento das lojas virtuais as opções para cada tipo de produto cresceram exponencialmente. Você acha o que você quiser, da cor que quiser, tamanho, estampa, etc.

Durante essas pesquisas fui impactada por um anúncio de body infantil personalizado e foi amor a primeira vista! É uma estampa mais linda do que a outra, diversas opções legais, e o melhor, diferente do padrão, sabe? Nessa idade parece que tudo é fofinho demais, e essa loja era o oposto, é algo como uma moda alternativa direcionada ao público infantil e os pais. Fiquei encantada.

Acabei comprando dois bodys, lindos demais! Minha bff amou! Fiquei muito feliz por isso, mas eu já sabia, obviamente, que ela ia amar, era a cara dela as estampas!!!

Conheça a loja, chama Viela 43, o link está acima. O melhor de tudo foi que ganhei 10% na primeira compra, super legal.

Se você não viu o último artigo, clique aqui.

Bom, agora vamos continuar trabalhando porque a semana tá só começando!

Bjs migos!

Cotidiano · Tecnologia

FALA QUE EU TE ESCUTO – A ERA DO AUDIOBOOK

Olá, domesticado leitor.

Hoje pensei em começar o post falando de sentimentos, mas o que são os sentimentos senão um vasto pacote de pipoca de microondas cujas pipocas nunca estouram do jeito certo e só se salvam punhados encharcados de sal?

Eu não quero ser o profeta dos sentimentos tecnológicos. Vamos mudar de assunto.

Em um tópico relacionado, soube que uma amiga minha, muito fã de Game Of Thrones segredou para mais de 500 amigos no Facebook que gostaria que o livro da série fosse um audiobook, para que ela então pudesse ouvir o livro enquanto cozinha e dá conta de tantas outras atividades domésticas corriqueiras e lúdicas do dia a dia de uma moça moderna e linda.

img-29px27n
Como conciliar a vida no condado e a vida moderna?

Não é interessante? Pois se tem uma prática tecnológica que me intriga (sem me seduzir) é o tal do audiobook. Me parece interessante ouvir histórias enquanto se cuida da vida. O sentimento ao ler é de entrega, esquecimento do mundo exterior. Como administrar isso tendo que ficar de olho nas panelas?

Vejam, não é uma crítica. Jamais criticaria uma amiga que vem de outro estado e ainda me traz cookies e outros sabores achocolatados. Não é isso. O fato é que acho mesmo intrigante conseguir ouvir uma história e ainda prestar atenção no resto do universo.

Senão, vejamos. Os audiobooks que sempre que vejo nas livrarias e bancas são de livros de auto-ajuda, ou histórias fofas de cachorrinhos sapecas. Até aí é fácil escutar toda a falação e continuar de olho na mistura. Se a história não exige muita atenção, acredito que o audiobook é até mais indicado que o livro regular, posto que você liberta as mãos e o cérebro pra outras atividades periféricas.

Agora, imagina que louco lavar a louça, por exemplo, ouvindo o audiobook de O Cemitério, do nosso valoroso Stephen King? Imagina a quantidade alucinada de louça que eu derrubaria a cada susto, a cada novo defunto voltando à vida e Deus que me livre todas aquelas descrições do cemitério maldito? Cê acha? Cê acha que eu tenho a habilidade de ficar sozinha na cozinha lavando louça e ouvindo as capetices do Stephen King? Isso que nem entramos no mérito de quem seria o narrador da história. Imagina que louco colocar o Derek Green pra narrar O Cemitério?

Tenho saúde emocional pra isso? Não tenho.

Pois mesmo Game Of Thrones me parece complicado acompanhar só com as orelhinhas. É que eu assisti alguns episódios da série e GENTE. É cheia de reviravoltas, loucuras, sangue, suor e magia a história, né? Se sou eu que tô no carro, parada no sinal vermelho retocando a maquiagem enquanto ouço GOT, chegaria no trampo feito um palhaço macabro e bêbado, tal qual estaria o estado da minha maquiagem.

Seria isso uma incapacidade minha, não conseguir amar os audiobooks? Serei eu a última da face da terra a ler no livro de papel, toda contentinha por carregar livro pesado na bolsa? O universo sendo tão gigante e imenso quanto nossas orelhas, posso me manter usando-as apenas para músicas e conversinhas secretas?

O que dirão os leitores do RMM? Estou louca pra ouvir. Mas escrevam, não me venham com podcast.

Cotidiano

KARAOKÊ: A EXPERIÊNCIA

Olá, afinado leitor.

Agita a alma do povo, sacode a cabeleira de toda a gente, quem é que pode dizer o que mais faz a nossa voz vazar por todos os canais de áudio da nação do que ir a um karaokê no final de semana?

Amigos, a ocasião é de soltar o pequeno Pavarotti que existe dentro de você e deixar que o mundo diga qual é a sua nota, de zero a dez. Não tenha medo, pegue o microfone e siga seu coração.

Só precisa: chamar os amigos (se tiver algum), preparar o gogó e ter habilidade no manejo de controle remoto.

Nunca tinha frequentado um karaokê enquanto estabelecimento comercial exclusivo desta arte milenar. Neste final de semana fui à uma autêntica casa do ramo e posso dizer que a sensação é única, é voraz, é inebriante, é salutar. É preciso estar bêbado.

Chegando no karaokê o que você tem a fazer é sentar e esperar que alguém dê início aos trabalhos. Isso pode levar horas, vá com uma roupa confortável e com muita disposição para afogar sua timidez pueril em muitos copos de cerveja (nela esteja sua solidão).

É assim, SQN! rs
É assim, SQN! rs

Aguarde aproximadamente 75 minutos até que um caboclo de alma boa finalmente se prontificará a cantar a primeira música, mais por culpa em estar pagando pela hora em um karaokê e não estar cantando do que por vontade de cantar, verdadeiramente. No frigir dos ovos isso não faz diferença alguma, por que nascemos só pra cantar.

Cerveja vai, cerveja vem. O dono do local deixa garrafas na porta da sala, como uma oferenda gelada aos deuses da melodia. Pelo andar da carruagem é de se pensar que os deuses da melodia odeiam cerveja, por que.

A cantoria vai de mal a pior, embora a empolgação e a conversa paralela já tenham ido até a Lua e voltado. Falando em ir e voltar, alguns inconsequentes escolherão músicas e sairão pra fumar bem na sua vez de cantar, fazendo com que tímidos incautos tenham que se responsabilizar por canções que não lhe dizem nada.

Não lhe dizem nada e assim a noite prossegue.

Vai ter um manolo carrancudo que fará cara feia para cada música tosca escolhida, o que é prova de muito comprometimento com o programa, já que via de regra 99% das músicas cantadas em karaokê são toscas.

Você descobrirá novas amizades, pensará com carinho em seus desafetos e deixará saudade do tempo em que as pessoas guardavam seu talento vocal para o chuveiro.

Mas você foi avisado.

Cotidiano

MANIFESTO BOMBOMZISTA

Olá, envelopado leitor. Se você tivesse que pegar o primeiro avião, com destino à felicidade, a felicidade seria… quem?

*REFLITA*

Não precisa responder agora, cola aqui neste pensamento que eu tive:

Amiguinho, tava ali no twitter conversando com meus amiguinhos que tem twitter (LOL) e surgiu a questão: por que o Ouro Branco é tão subestimado?

- Tadinho de mim! :'(
– Tadinho de mim! :'(

Sim, o bombom Ouro Branco. Andando em supermercados, padarias, botecos e outras CASAS DO RAMO a injustiça nos salta aos olhos: por que este delicioso e humilde bombom é vendido só de sacolada, naqueles pacotões sem-graça? Por que para o Ouro Branco não tem nunca embalagens que misturem sensualidade, glamour e sentimentos de comer chocolate sem culpa, como ocorre com o Sonho de Valsa, por exemplo? Na minha modesta, sincera e impoluta opinião o Ouro Branco é o melhor bombom (destes old school, gordinhos) do Brasil. É que eu prefiro chocolate branco, sabe?

Não tenho nada contra o Sonho de Valsa. Não é nem do meu feitio, aliás, ter algo contra bombons. Longe de mim. Mas é um fato e o fato é: o Sonho sempre teve um tratamento mais bacana por parte da INDÚSTRIA CHOCOLÁTICA. É o bombom símbolo dos namorados, sempre tem embalagens fofas e caprichadas em datas especiais. Enfim, é o primo rico do Ouro Branco.

- Sou hype, bite me. u_u
– Sou hype, bite me. u_u
Tentei emular um movimento pró glamurização do Ouro Branco no twitter (minha vida é essa), mas fui logo advertida pelos mais ligeiros: bombom hype é bombom caro. O Ouro Branco enquanto bombom indie e subestimado não sofre as oscilações de humor do mainstream chocolício. Isso é um ponto importante a ser observado. Mas até onde vai a nossa responsabilidade social? Cadê o direito chocomano? Seria a solução manter este bombom nas garagens, não permitir nunca que ele faça sucesso, apenas para nosso bel prazer? Ou devemos dar ao Ouro Branco o que lhe é de direito?

Até quando suportaremos o insosso Sonho de Valsa ter todas as glórias,

SOL LINDO, MIN ADD
SOL LINDO, MIN ADD

Enquanto o Ouro Branco vive à margem da sociedade?

Vem com tudo!
Vem com tudo!

E não me venham com imagens pagãs, teorias conspiratórias e imagens subliminares para incriminar o Ouro Branco ou tentar justificar este silêncio. Não ousem!

Que figura é essa? JOGO DO ADIVINHA
Que figura é essa? JOGO DO ADIVINHA

Por que o que vocês chamam de mensagem subliminar eu chamo de TAPA NA CARA DA SOCIEDADE.

(Ou, em última análise, um pedido de ajuda desesperado. Como proceder?)

Mas não vamos perder o foco. Este é um post denúncia. Até quando, indústria chocolenta? Até quando?

Durma com um barulho deste!!!!

Cotidiano

ENSAIO SOBRE A MIOPÍA

Olá, periclitante leitor.

Tendo em vista a popularização do óculos como acessório fashion e da cirurgia de correção de miopía como grande sinônimo de status (mesmo entre os indies), não seria errado sentenciar que no mundo atual o sentimento que nos une é o do amor míope: mal nos enxergamos e já nasce o afeto. Curioso pensar que na dita “sociedade atual” a coisa funciona assim mesmo: usamos o astigmatismo e aquele glaucoma pueril como moeda de troca para que as amizades se mantenham firmes, sem tropeços.

Pois quantas vezes você já não se deparou com a seguinte situação:

Em um dia de muito calor ou até mesmo de muito frio (o clima-tempo não faz diferença nenhuma aqui, na verdade) você está andando pela rua, NA CORRERIA, e vê um vulto que lhe parece familiar. Enfeitiçado pelo magnetismo que é encontrar um rosto conhecido na multidão, você, pequenino sonhador, eterno romântico, prende os olhos no tal vulto e ao menor sinal de completa retenção de fisionomia alheia, já sentencia: CONHEÇO ESSE CABOCLO.

A partir daí, você já não desgruda mesmo o olhar do rosto do seu “conhecido”, buscando na memória quem é mesmo a tal pessoa. Um antigo amor? Raspa de tacho de um coração? Vizinho que saía comprar leite usando calção do Fluzão? Quem, quem será esta pessoa, que você conhece o rosto, mas desconhece o passado?

Como se tivesse caído do céu ou subido do inferno, por certo saiu de algum lugar, quase certeza que veio de Itaquera, quem sabe da Vila Madalena, pelo chapéu SÓ PODE que veio da Augusta.

Então você olha bem e fala: SIM, CLARO! E percebe que a tal pessoa é um astro de cinema, um cantor internacional, uma atriz que já morreu a três anos.

E percebe, chocada, que você teve uma alucinação de paparazzi. Do tipo: vejo celebridade onde não tem. Então vem o gosto amargo da derrota, aqueles cinco segundos em que você questiona sua sanidade mental. Seu rosto se desfigura e vai da alegria ao choque tristonho. Achava ter visto um amigo e na verdade era apenas um lookalike de uma celebridade qualquer. E não bastasse ter que lidar com todo este conflito de sentimentos, ainda há o outro lá. A tal pessoa que você tanto confundiu. Pois, é claro, de tanto ficar olhando pra ela você chamou a atenção. E a tal pessoa fica ali te olhando, toda esperançosa. Somos amigos? Podemos ser?Por vezes esquecemos a caixa de Pandora que é um coração guiado pela miopía. Por vezes esquecemos que não devemos tratar como prioridade quem te trata como imaginação.

A saída é retribuir com um sorriso e escapar o quanto antes. “Escapar o quanto antes”, do latim “sebo nas canelas”. Não é o momento de novas amizades, o cérebro ainda confuso, as vistas fatigadas. O jeito é se conformar e seguir em frente. Isso acontece todos os dias. Não é preciso ter vergonha. Isso acontece o tempo todo.

Se não for isso, acho que vi o Fred Armisen hoje no metrô. E ele sorriu pra mim.

fred armistein